Início » Colunas » Coluna do Verchai » Entenda como ficou o Paulista após a paralisação

Entenda como ficou o Paulista após a paralisação

Fernando Verchai

Nesta segunda-feira, após reunião com representantes dos dezesseis clubes que disputam a ‘Série A’ do estadual, a Federação Paulista de Futebol anunciou que o Campeonato Paulista de 2020 está suspenso por tempo indeterminado por conta do surto de coronavírus.

Inicialmente, alguns clubes como Santos e Santo André eram a favor da manutenção do campeonato, mas acabaram votando a favor da paralisação como forma de prevenção da disseminação do novo coronavírus. Apenas em São Paulo os números de infectados pelo Covid-19 (o coronavírus) já são de 152, de acordo com a última divulgação do Ministério da Saúde. Em todo o Brasil são 234 casos confirmados, mas os órgãos estaduais já apontam para outros 59 casos que ainda não entraram no balanço federal divulgado na tarde desta segunda-feira.

Até agora, apenas o Rio de Janeiro e São Paulo sofrem com a chamada “transmissão comunitária”, que é aquela verificada quando as autoridades de saúde não conseguem rastrear a origem da infecção, o que significa que ela pode estar sendo transmitida entre os próprios moradores locais.

Por conta disso, os jogos da décima rodada do Campeonato Paulista, disputados na capital do estado, aconteceram com portões fechados, ou seja, sem a presença de torcedores. A decisão foi tomada em razão de um comunicado da Organização Mundial da Saúde, o qual observava a importância de que não houvesse aglomerações, a fim evitar a disseminação do vírus. E depois de uma rodada totalmente atípica, com estádios vazios, protestos de jogadores e reclamações de técnicos e dirigentes do esporte, a Federação Paulista de Futebol decidiu por paralisar o campeonato. Diferentemente do que aconteceu em outros estados, o Paulista foi interrompido por tempo indeterminado. Futuramente haverá uma nova reunião para decidir qual será o destino da competição.

Guarani e Ponte Preta encerram rodada em jogo com muitos gols.

Falando de futebol, o Guarani recebeu a Ponte Preta no Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, nesta segunda-feira, para o último jogo da décima rodada do Paulista. A partida foi com portões fechados e marcou o encerramento de um tabu que já durava oito anos. O Guarani não vencia um clássico com a Ponte Preta desde 2012, tendo sido derrotado quatro vezes de lá pra cá, além de outros dois empates. Nesta segunda-feira, o primeiro tempo fez com que todos acreditassem que a invencibilidade da Ponte permaneceria. A Macaca abriu o placar com o zagueiro Alisson Pereira, completando de cabeça a boa cobrança de escanteio de João Paulo. Pouco depois, já nos acréscimos da primeira etapa, Romércio subiu com os braços abertos na área e acabou cometendo a penalidade. Na cobrança, Roger marcou o sexto gol dele na temporada e fez 2 a 0 para a Ponte Preta.

Tudo indicava para mais um resultado negativo para o Guarani no clássico, mas a bola aérea que o puniu no primeiro tempo, também serviu de fôlego para o Bugre na etapa final. Foi em cobrança de escanteio que a bola sobrou para Lucas Crispim na área, que arriscou uma bicicleta e acabou deixando Todinho na boa para empurrar pro fundo da rede: 2 a 1. Depois do gol o Guarani partiu pra cima do adversário, que se fechou na defesa e passou a explorar os contra-ataques. Foi a partir de jogadas em velocidade que a Ponte Preta quase marcou o terceiro para liquidar a partida, mas João Paulo e Roger não conseguiram aproveitar as chances e a Macaca acabou sendo castigada na reta final. Após linda tabela com Todinho pelo lado esquerdo, Thallyson bateu pro meio da área e Juninho Piauiense bateu firme para deixar tudo igual no placar: 2 a 2. Nos minutos finais, Thallyson voltou a aparecer, limpando bem a marcação na área e batendo cruzado para garantir a vitória do Guarani: 3 a 2 placar final.

Guarani encaminha classificação às quartas de final e complica o Corinthians

Com a vitória em casa nesta segunda-feira, o Guarani chegou aos 16 pontos e praticamente garantiu sua vaga ao “mata-mata” do Campeonato Paulista. Isso porque o Corinthians (3º do grupo D) apenas empatou com o Ituano em casa, no domingo, e ficou com onze pontos. Portanto, faltando duas rodadas para o fim da fase de grupos, o Corinthians precisaria de duas vitórias para chegar aos 17 pontos e ter chances de classificação. No entanto, uma vitória do Guarani nos próximos dois jogos já garantiria o Bugre nas quartas de final e, consequentemente, deixaria o Corinthians fora do “mata-mata”, o que não acontece desde 2014. Dois empates do Guarani também bastariam para a classificação da equipe campinense, que teria pela frente o Botafogo (fora de casa) e o São Paulo na última rodada, no Brinco de Ouro. Líder do grupo D com 17 pontos, o RB Bragantino ainda jogaria contra o São Paulo (no Morumbi) e, na última rodada, receberia o Botafogo no estádio Nabi Abi Chedid.

Ponte Preta beira o rebaixamento

Pelo grupo A, a situação da Ponte Preta é bastante complicada, mas ainda poderia dar um salto incrível. Com apenas sete pontos conquistados em dez rodadas, a Ponte é a equipe que menos somou pontos na competição, seguida pelo Botafogo (grupo B), com oito pontos. Mesmo assim, a Ponte Preta não só tinha chances de deixar a zona de rebaixamento como poderia até alcançar a classificação às quartas de final, uma vez que Água Santa (3º do grupo A) e Oeste (2º) somam apenas dez pontos (o Santos lidera o grupo A com 15 pontos). Para isso teria que vencer seus próximos duelos contra Grêmio Novorizontino (em casa) e Mirassol (fora). Lembrando que os próximos jogos do Paulista estão suspensos por tempo indeterminado.

Santo André e Palmeiras lutam por liderança do grupo B

Com 19 pontos cada, Santo André e Palmeiras fazem as melhores campanhas do Campeonato Paulista e dividem a liderança do grupo B. Logo atrás, com 16 pontos, o Grêmio Novorizontino também almeja uma vaga na próxima fase da competição. O Santo André, líder por conta do saldo de gols, ainda faria jogos contra o Santos na Vila Belmiro e Ituano (em casa). O Palmeiras jogaria contra o Corinthians já na próxima rodada, fora de casa, podendo decretar a eliminação antecipada do rival, e encerraria a fase de grupos diante do Água Santa, no Allianz Parque.

São Paulo foi o primeiro a confirmar vaga nas quartas de final

Pelo grupo C, líder com 18 pontos, o São Paulo já tinha vaga garantida no “mata-mata” do Paulista. Isso porque a Inter de Limeira (3º), com apenas onze pontos, não tinha mais chances de alcançar o tricolor. A única briga do São Paulo seria com o Mirassol (2º colocado com 16 pontos), pela liderança do grupo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.