Início » Colunas » Coluna do Verchai » Messi e CR7 fazem doações para ajudar no combate ao coronavírus

Messi e CR7 fazem doações para ajudar no combate ao coronavírus

Fernando Verchai

Sossegando na quarentena?

(Reprodução: Instagram/montagem Betmotion)

Em meio a quarentena decretada por grande parte dos países europeus, muitos jogadores de futebol aproveitam o tempo para se juntar à família durante a atual pandemia do coronavírus. Os mais disciplinados, é claro, não deixam a preparação física de lado, pois se concentram em estar preparados para quando a disseminação do coronavírus estagnar e os campeonatos voltarem a ser disputados. Há duas semanas, Cristiano Ronaldo comemorava em sua conta no Instagram a marca de mil jogos que alcançou na carreira. Agora, porém, depois de ter viajado até a Madeira, em Portugal, para ficar próximo de sua mãe, o atacante da Juventus compartilhou, em seu Instagram, informações sobre o coronavírus para ajudar no combate à pandemia, mas também fez questão de publicar um foto na qual está malhando, aparentemente, dentro de casa. Lionel Messi, por sua vez, apesar de todos sabermos que está concentrado em sua preparação física para manter o ritmo, preferiu compartilhar em suas redes sociais momentos mais íntimos, com a família (como em uma foto de seus filhos deitados na cama com livros na mão). Os dois craques, que já estão no período final de seus ciclos pelo mundo do futebol, sempre foram rivais dentro de campo, mas se uniram neste momento para pedir que as pessoas levem a atual pandemia a sério. E não pararam por aí. Ambos fizeram doações significativas para hospitais que estão na linha de frente no combate ao coronavírus. O português Cristiano Ronaldo se juntou ao empresário Jorge Mendes para doar 35 leitos de unidades de tratamento intensivo a dois hospitais de Portugal: um na cidade de Lisboa e outro em Porto. Já o camisa 10 do Barcelona, Lionel Messi, doou nada menos do que 1 milhão de euros para ajudar no combate ao coronavírus. De acordo com o jornal catalão “Mundo Deportivo”, a quantia será dividida entre um hospital da Argentina e o Hospital Clinic de Barcelona.

A formação de dois gênios:

Lionel Messi

nascido e criado na Argentina até os treze anos de idade, Messi não demorou para chamar a atenção de grandes clubes do futebol. Na Argentina jogou nas categorias de base do Newell’s Old Boys e foi de interesse do River Plate, mas um problema hormonal o afastou dos clubes, que não queriam arcar com os custos de seu tratamento. Por conta disso, Lionel Messi foi levado por seu pai até a Catalunha, onde morava uma parente da família. O craque argentino logo chamou a atenção de diversos clubes da Espanha, incluindo o Real Madrid, mas o Barcelona não perdeu a oportunidade, fechou acordo com o pai do jogador, Jorge Messi, e topou bancar os custos do tratamento hormonal do garoto. Lionel Messi se destacou nas categorias de base e desde cedo foi de interesse da Seleção Espanhola, mas preferiu se manter com a Argentina, pela qual conquistou o Mundial sub-20 e as Olimpíadas de 2008. Pelo seu primeiro e único clube, o Barcelona, Lionel Messi subiu para o profissional com apenas 18 anos e ganhou suas primeiras chances no time principal ao lado de feras como Samuel Eto´o, Deco, Ronaldinho Gaúhco e, claro, Xavi Hernández e Andrés Iniesta (seus fieis escuderos). Já em sua primeira temporada sentiu o gosto de conquistar um título (campeão de La Liga). Na segunda temporada (2005/06), Lionel Messi teve papel mais importante no time liderado por Ronaldinho Gaúcho, o qual conquistou o triplete (títulos da Liga dos Campeões, La Liga e Copa do Rei). Depois da saída do “bruxo”, o Barcelona passou por um período de transição, ficando sem conquistar títulos por duas temporadas. Até que, na temporada 2008/09, com a chegada de um tal de Pep Guardiola no comando técnico do Barcelona, o time da Catalunha voltou a conquistar um triplete, desta vez com Lionel Messi sendo o principal jogador de uma equipe que ainda contava com Thierry Henry e Samuel Eto´o. Na temporada seguinte (2009/10), o Barcelona conquistou apenas o título de La Liga, mas, já em 2010/11, voltou a conquistar o triplete. Nas outras três temporadas, o Barcelona seguiu conquistando títulos, mas era a vez de conquistar quatro títulos em uma única temporada, o que só aconteceu na temporada 2014/15, com Lionel Messi acompanhado de Luis Suárez e Neymar Jr.. Desde então o Barcelona segue predominante na Espanha, mas viu seu principal rival, o Real Madrid, crescer continentalmente. 

Cristiano Ronaldo

Assim como aconteceu com Lionel Messi, as coisas não foram muito fáceis para Cristiano Ronaldo quando ainda era um garoto que jogava nas categorias de base. O português iniciou sua carreira aos sete anos, atuando pelas categorias de base do Andorinha de Santo António e, aos treze anos de idade, se transferiu ao Desportivo Nacional para assinar seu primeiro contrato. Com quinze anos, juntou-se a outros jovens jogadores do Sporting, clube no qual constatou um problema de coração que poderia tê-lo tirado do futebol. Mas Cristiano Ronaldo se submeteu a uma cirurgia para resolver o problema e seguiu firme com a carreira, tendo se juntado à equipe principal do Sporting com 18 anos de idade. Já em sua primeira temporada o “robozão” se firmou entre os titulares e chamou a atenção de diversos clubes da Inglaterra, em especial do Manchester United de Sir Alex Ferguson. Em sua primeira temporada, Cristiano Ronaldo ajudou nas conquistas da Copa e da Supercopa da Inglaterra, mas foi apenas três temporadas depois que as coisas começaram a fluir. Foi apenas na temporada 2006/07, aos 22 anos de idade, que Cristiano Ronaldo apareceu entre os três artilheiros da Premier League, sendo fundamental na conquista do título nacional do Manchester United. Na temporada seguinte (2007/08), enfim, veio o primeiro triplete da “fera”: títulos da Supercopa da Inglaterra, da Premier League e da Liga dos Campeões, além do Mundial de Clubes no final do ano. Com um total de 42 gols em 49 jogos, Cristiano Ronaldo foi artilheiro da Premier League e da Liga dos Campeões (tirando o Barcelona de Messi na semifinal). Foi a primeira chegada ao topo de Cristiano Ronaldo, que viu seu reinado terminar logo na temporada seguinte, em uma final de Liga dos Campeões contra o Barcelona. Mesmo conquistando a Premier League, a Supercopa da Inglaterra e a Copa da Liga Inglesa, o Manchester United caiu na final da Liga dos Campeões 2008/09 exatamente para o Barcelona de Lionel Messi. Cristiano Ronaldo logo se tornou a contratação mais cara do Real Madrid, em 2009, mas passou por poucas e boas até conseguir sucesso na Espanha. Em quatro temporadas com Cristiano Ronaldo, o Real Madrid venceu apenas uma vez a Liga e uma vez a Copa do Rei. Até que, na temporada 2013/14, Ronaldo finalmente venceu a Liga dos Campeões, quebrando o recorde de gols em uma única edição da competição europeia: 17 gols. Depois vieram mais três títulos consecutivos da Liga dos Campeões, além de muitos mundiais e títulos nacionais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.