Início » Colunas » Coluna do Verchai » Klopp e Guardiola decidirão a Champions? Estão em vantagem

Klopp e Guardiola decidirão a Champions? Estão em vantagem

Fernando Verchai

Rivais pelo título inglês nas últimas temporadas, incluindo a atual, Jürgen Klopp e Pep Guardiola podem duelar pelo título da Champions League 2021/2022.

jurgen klopp treinador do liverpool e pep guardiola tecnico do manchester city

Liverpool de Jürgen Klopp e Manchester City de Guardiola estão em vantagem nas semifinais da Champions League 2021/2022. Vão se enfrentar na final? (Divulgação/UCL)

O Liverpool do técnico alemão fez 2 a 0 no jogo de ida contra o Villarreal, enquanto o Manchester City do treinador catalão ganhou por 4 a 3 do Real Madrid. Os dois ingleses iniciaram os seus confrontos em casa. 

Na próxima terça-feira (3/5), os Reds jogam a sua partida de volta contra o Submarino Amarelo no Estádio de la Cerámica, em Vila-real, na Espanha. E na quarta-feira (4/5) será a vez dos Citizens decidirem a outra semifinal, contra o Real, igualmente como visitante e também em solo espanhol, no Santiago Bernabéu, em Madri.

A seguir, confira o nosso resumo dos jogos de ida  semifinais da Uefa Champions League:

Manchester City conquista vantagem em casa, mas Real mantém disputa aberta para a volta na Espanha

Nesta semana, tivemos as partidas de ida das semifinais da Uefa Champions League 2021/22. O primeiro confronto, entre Manchester City e Real Madrid aconteceu na última terça-feira (26), no Etihad Stadium, na Inglaterra.

Jogo mais esperado dessa fase da Champions League, envolvendo o atual vice-campeão, Manchester City, e o maior campeão da história da competição, Real Madrid, ele entregou tudo aquilo que os fãs de futebol esperavam, e ainda mais um pouco.

Atual campeão e líder da Premier League, comandado por Guardiola, era apontado como favorito pelos principais sites de apostas, incluído o Betmotion, e a avaliação se mostrou correta dentro de campo.

Empurrado por um apoio incomum da sua torcida, o Manchester City abriu o placar logo no primeiro minuto do confronto. Riyad Mahrez fez linda jogada na ponta direita, levou pra dentro e cruzou na medida para Kevin de Bruyne, que invadiu a área do Real Madrid de surpresa para testar para o fundo da rede, colocando os Citizens em vantagem.

Em ritmo alucinante, o Manchester City seguiu a pressão e aumentou o placar ainda aos 10 minutos do primeiro tempo. Kevin de Bruyne voltou a aparecer, desta vez cruzando na área para Gabriel Jesus, que ganhou dividida com Alaba antes de tocar na saída de Courtois, ampliando o marcador (e possivelmente se credenciando a ir com a Seleção Brasileira para o Catar no fim do ano).

Na transmissão ao vivo da TNT Sports, o narrador André Henning avisou: “Se tem a chance de matar o jogo contra o Real Madrid, não pode desperdiçar, senão ele renasce.”

E não deu outra. Renasceu, e por três vezes. A primeira foi ainda no primeiro tempo, quando Karim Benzema recebeu cruzamento de Mendy e descontou para os Merengues, ainda antes do intervalo.

No segundo tempo, o Manchester City voltou a desperdiçar chances: logo nos primeiros minutos, Mahrez fez grande jogada e saiu na cara do gol, mas parou na trave e, no rebote, sem goleiro, Phil Foden chutou em cima de Carvajal. Mas em uma grande jogada de Fernandinho, que substituiu John Stones na lateral-direita, Foden recebeu cruzamento açucarado do brasileiro para fazer o terceiro do City.

A partida seguia em ritmo alucinante e, ainda aos 10 minutos do segundo tempo, Vinícius Júnior, em jogada individual pela ponta esquerda, ganhou de Fernandinho ainda na defesa do Real Madrid e atravessou todo o campo, até ficar na cara do gol e tocar no canto para mais uma vez descontar para os espanhóis.

Então, o Manchester City mais uma vez respondeu: em falta de Toni Kroos sobre Zinchenko, a defesa do Real parou, mas o árbitro deu vantagem e Bernardo Silva aproveitou para invadir a área e, com um chute no ângulo, marcar um golaço.

Só que o gigante Real Madrid foi buscar um importante terceiro gol, já nos minutos finais. Em cruzamento de Kroos, a bola bateu na mão de Laporte dentro da área, o árbitro marcou a penalidade, e Karim Benzema deixou o segundo dele, cobrando com enorme categoria, de cavadinha. O atacante francês se tornou o artilheiro desta Uefa Champions League, com 14 gols marcados.

A partida terminou em vitória do Manchester City por 4 a 3, que foi importante para o time de Guardiola, mas o resultado apertado manteve a equipe de Carlo Ancelotti viva na competição.

Na semana que vem, os Merengues terão a chance de buscar a “remontada” que o levará à final ao lado de sua torcida, no Santiago Bernabéu. Para chegar à decisão no tempo normal, precisa de uma vitória por dois gols de diferença. Caso ganhe por um, a definição da vaga na final segue para uma prorrogação e, se necessário, disputa por pênaltis.

Liverpool confirma favoritismo diante do Villarreal e abre vantagem de dois gols em Anfield

 

Liverpool x Villarreal, a outra semifinal, nesta quarta-feira (27), não teve o mesmo equilíbrio e emoção de Manchester City 4 x 3 Real Madrid, mas a partida foi bastante interessante. Jogando com o apoio da sua fanática torcida em Anfield Road, os Reds dominaram o jogo do início ao fim.

O Villarreal até tentou ficar um pouco com a bola para diminuir a pressão do Liverpool, mas a equipe de Jürgen Klopp pressionou organizadamente no campo de ataque e não permitiu que os comandados de Unai Emery se sentissem à vontade dentro de campo. Ainda assim, o time espanhol conseguiu se defender muito bem e ir para o intervalo cumprindo o seu principal objetivo, que era conseguir levar pelo menos um empate para a partida da volta, que acontece na Espanha na semana que vem.

Só que o Liverpool voltou ainda mais intenso no segundo tempo e não demorou para abrir o placar. Fabinho chegou a balançar as redes com cinco minutos da etapa final, mas o gol foi anulado por impedimento. Só que praticamente em seguida, três minutos depois, Estupiñán tentou evitar que o cruzamento de Henderson encontrasse Mané livre de marcação na área, mas o desvio no equatoriano fez a bola pegar o caminho do gol e surpreender o goleiro Rulli, que tentou, mas não conseguiu evitar que o placar fosse aberto.

E apenas dois minutos depois de fazer 1 a 0, Salah e Mané fizeram grande jogada e o senegalês recebeu do egípcio na cara do gol para, com um toque sutil na saída do goleiro, ampliar para os Reds em Anfield.

E não parou por aí. A pressão do Liverpool se manteve até o fim da partida e Robertson até chegou a balançar as redes, mas, assim como Fabinho, teve o seu gol anulado por impedimento.

Ainda assim, a vitória por 2 a 0 dá uma vantagem confortável para o Liverpool nesta semifinal. Principalmente se considerarmos que a equipe de Jürgen Klopp venceu os cinco jogos que fez fora de casa nesta Champions League, tendo perdido apenas duas de um total de 25 partidas que atuou como visitante nesta temporada.

* Com informações de Rogerio Jovaneli. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.