Prass fala de pandemia no Ceará e alerta: “Não é resfriadinho”

Rogerio Jovaneli
Rogerio Jovaneli

Exemplo de profissional do meio do futebol com conhecimento da realidade do país, bem além das quatro linhas, o goleiro do Ceará Fernando Prass demonstra preocupação com a pandemia do novo coronavírus (covid-19). Em entrevista ao site GloboEsporte, o ex-goleiro do Palmeiras enfatiza: “Não é um simples resfriadinho.”

Fernando Prass, goleiro do Ceará, demonstra preocupação com a crise da covid-19 (Foto: Wilton Hoots/cearasc.com)

Cumprindo isolamento social em casa, com a família em Fortaleza, o experiente goleiro de 41 anos fez questão de falar da difícil situação local e em outras partes do mundo, revelando que tem amigos doentes.

Confira as respostas de Prass na entrevista ao Globoesporte:

Não é resfriadinho

“Temos exemplos no mundo de que não é brincadeira. Posso até causar polêmica, mas não é um simples resfriadinho que falam, né? Um resfriado não mata 15 mil pessoas em 40 dias na Itália. Um resfriadinho não faz com que países como Itália, Espanha e Estados Unidos parem. Tenho amigos nos três, da Itália me mandam filmagem das ruas, e não tem ninguém. É toque de recolher mesmo.”

Gravidade da pandemia no Ceará, amigos ingfectados e falta de testes

“O Ceará é o terceiro estado com mais casos, em números absolutos. Se for ver proporcionalmente, em relação ao número da população (do estado), fica mais feio ainda. A gente está no escuro ainda, não tem quantidade de testes razoáveis. Aqui no Brasil não se sabe o real número de contaminados porque não se testa. Eu tenho dez amigos contaminados e dois fizeram testes porque tiveram sintomas muito graves e tiveram de ir para hospital.”

Futebol parado e incerteza sobre futuro

“O planejamento fica difícil porque não se sabe se pode dar uma carga de treino e voltar dia 20 ou se dá uma carga alta e no dia 20 dão mais dez dias de férias. Essa incerteza também mexe contigo, de não poder sair de casa, estar trancado. São coisas que infelizmente a gente tem de passar. Eu sou muito dessa opinião.”

Crise financeira

“Acho que nenhum jogador é alienado e ignorante a ponto de não entender o que está acontecendo no mundo. Eu tenho muitos amigos empreendedores, meu pai é microempresário, a dificuldade é muita. Está se prevendo quase que o dobro de desempregados no fim dessa crise, e o número já é alto. É uma situação complicada.”

Redução salarial dos jogadores na pandemia

“É difícil analisar a proposta que a associação de clubes nos fez (de redução salarial). Com cinco dias de parada, eles já fizeram uma proposta de redução de 25% dos salários, de A a Z, de Flamengo a Guarani de Sobral, que é um time do interior daqui. Eu não consigo achar sensato porque, primeiro, não tem como em cinco dias fazer uma previsão de queda no faturamento. Ninguém sabe que dia vai voltar, qual vai ser a fórmula do campeonato, qual vai voltar e qual não vai voltar, como a televisão vai lidar com o repasse das contas. Como joga um número de 25% do time que foi campeão brasileiro ao time que está na Série D? É muito precipitado.”

“Outra coisa é cada clube discutir a sua situação. Eu sempre uso a metáfora do remédio. Você vai pegar vários pacientes e vai dar o mesmo remédio e a mesma dosagem para todos? Tem uns que vão se curar, uns não vai adiantar nada porque a dosagem é pequena e outros que vai causar mais problemas por causa de uma dosagem. O bom senso diz que deve negociar caso a caso quando tiver o maior entendimento do cenário.”

Acesse apostas esportivas no site do Betmotion.

Além disso, confira, também, a nossa seção de Análises e Palpites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *