O que esperar do Fortaleza com Rogério Ceni em sua 3ª temporada?

Fernando Verchai
Fernando Verchai

Há nove anos, Rogério Ceni comemorava o gol de número 100 na carreira como jogador.

Rogério Ceni, técnico do Fortaleza. Gol fora decretou eliminação da Copa Sul-Americana (Imagem: reprodução/site do Fortaleza EC)

Exatos nove anos atrás, no dia 27 de março de 2011, Rogério Ceni marcava o gol de número 100 de sua carreira, aos 38 anos. O Rogério Ceni goleiro, que defendeu o São Paulo desde o sub-18 e até completar 42 anos de idade, momento em que decidiu encerrar a carreira de atleta, marcou ao todo 129 gols em sua carreira. Ceni foi o primeiro goleiro a marcar mais de 100 gols em competições oficiais. Em seu melhor ano (2005), chegou a balançar as redes 21 vezes, tendo disputado 75 jogos naquela temporada. Além de ter feito gol na semifinal da Libertadores que o São Paulo foi campeão, Rogério Ceni também balançou as redes na semifinal do Mundial de Clubes. Mas o goleiro foi realmente fundamental no terceiro título mundial do São Paulo embaixo das traves, quando fez a defesa mais lembrada de sua carreira, espalmando pela linha de fundo pancada certeira de Steven Gerrard em cobrança de falta. Mas foi apenas em 2011 que Rogério Ceni marcou o centésimo gol de sua carreira, em uma partida contra o Corinthians pelo Campeonato Paulista. A partida que o São Paulo venceu por 2 a 1, com golaço de falta de Rogério Ceni, foi relembrada pelo SporTV e compartilhada nas redes sociais por muitos torcedores. Antony, atualmente atacante do São Paulo, tinha apenas 11 anos quando o gol aconteceu e fez questão de compartilhar o momento em suas redes sociais, parabenizando o atual técnico do Fortaleza. “E essa batida?!?? Craque, craque!!! Parabéns, ídolo!! #M1TO” escreveu Antony em sua publicação.

O Rogério Ceni técnico

Rogério Ceni encerrou sua carreira de jogador no ano de 2015, ano em que saiu nas oitavas da Libertadores e nas semifinais do Paulista e da Copa do Brasil. Principalmente por não conseguido substituir suas perdas do ano de 2015 (Rogério Ceni, Kaka, Luis Fabiano e por aí vai), o São Paulo teve um 2016 difícil. O comando técnico passou de mão em mão, desde Edgardo Bauza até chegar em Ricardo Gomes. Enquanto isso, Rogério Ceni estudava um pouco mais sobre a opção de ser técnico, chegando a ser auxiliar de Dunga na Seleção Brasileira. Até que, no fim de 2016, fechou contrato com o São Paulo para comandar o tricolor paulista durante o ano de 2017. O início de seu trabalho no comando da equipe aconteceu na Florida Cup, um torneio amistoso disputado em dois jogos, que foi vencido pelo São Paulo nos pênaltis, na final, contra o Corinthians. A primeira partida oficial, porém, pelo Campeonato Paulista, foi bastante desanimadora. A derrota por 4 a 2 para o Audax gerou muitas dúvidas sobre o futuro do novo treinador, mas uma vitória por 3 a 1 sobre o Santos e sequência de nove jogos sem perder fez com que o time retomasse a confiança. Com o passar do tempo, porém, as competições foram se afunilando e Rogério Ceni não conseguiu corresponder como esperado. Apesar da nova dinâmica que havia dado ao time do São Paulo, o ex-goleiro não conseguiu mostrar um verdadeiro resultado à curto prazo. Copa do Brasil, Campeonato Paulista e Copa Sul-Americana se misturaram e o São Paulo acabou eliminado em todas estas competições de uma vez só. A diretoria até tentou bancar Rogério Ceni neste primeiro momento, mas o péssimo início no Campeonato Brasileiro foi a gota d’água. Na 11ª rodada, com apenas onze pontos somados e amargando a zona de rebaixamento, Rogério Ceni deixou o comando do São Paulo em baixa.

No entanto, algumas pessoas não entendem que o problema estava no treinador, acreditando que, na verdade, Rogério Ceni foi uma jogada de marketing de ‘Leco’ (Carlos Augusto de Barros e Silva). De acordo com este ponto de vista, o então presidente do São Paulo teria se apoiado no “projeto Rogério Ceni” para garantir a recandidatura. Mas, o que realmente aconteceu no ano de 2017 foi que o clube se desfez de parte fundamental do elenco, deixando o novo treinador sem peças para realizar um bom trabalho. Naquele ano, o São Paulo terminou na 13ª colocação do Brasileirão.

Recomeço em Fortaleza

No dia 10 de novembro de 2017, depois que o Fortaleza já tinha conquistado o acesso à Série B do Campeonato Brasileiro, o tricolor do Ceará anunciou a contratação de Rogério Ceni para o comando técnico da equipe no ano seguinte. Em um projeto ambicioso, de se tornar um dos maiores times do Brasil, o Fortaleza foi com força total em busca do título estadual, mas perdeu os dois jogos da final para o Ceará. Podia parecer que Rogério Ceni estava mais uma vez andando por um caminho cruel, mas a campanha na Série B logo afastou todas as incertezas. Com um início arrasador, o Fortaleza só foi conhecer a sua primeira derrota na décima rodada, conquistando o título simbólico do primeiro turno com boa vantagem em relação ao segundo colocado. Ainda na 34ª rodada, após vitória fora de casa sobre o Atlético Goianiense, o Fortaleza já havia confirmado, matematicamente, o acesso à Série A (depois de 12 anos disputando divisões inferiores). O título da Série B chegou, oficialmente, após vitória sobre o Avaí na 36ª rodada (ainda faltando duas para terminar o campeonato). Com o sucesso, Rogério Ceni renovou com o Fortaleza para o ano de 2018, no qual o tricolor cearense conquistou o Estadual e a Copa do Nordeste. Mas, após eliminação na Copa do Brasil e Sul-Americana, além de um início difícil na primeira divisão, Ceni recebeu oferta do Cruzeiro, que lutava contra o rebaixamento. A missão de salvar a raposa do rebaixamento, no entanto, foi um fracasso. Depois de se envolver em conflito com jogadores e direção, Rogério Ceni acabou sendo demitido do Cruzeiro. O Fortaleza, porém, que ainda não tinha encontrado o substituto ideal para o ex-goleiro, logo acertou seu retorno ao Leão do Pici. A volta de Rogério Ceni pareceu ter renovado as forças do Fortaleza, que disparou na tabela do Brasileirão e terminou na 9ª colocação (atrás apenas dos oito que se classificaram para a Libertadores). Neste ano (2020), a eliminação precoce na Copa Sul-Americana (tinha que ser logo contra o Independiente?), por conta do gol fora, declaradamente pesou para Rogério Ceni, que não conseguiu esconder o desapontamento. No entanto, o Fortaleza investiu em novas contratações, renovou com jogadores importantes e tem apostado nas categorias de base do Flamengo para emprestar jogadores que complementem o elenco. Líder de seu grupo na Copa do Nordeste e atrás do Ceará no Estadual por ter um jogo a menos, o Fortaleza é um time a ser batido regionalmente. No Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil, é uma equipe para se ficar atento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *